Apesar de estar ainda em vigência na Europa a moratória, iniciada em 1998, em relação aos alimentos geneticamente modificados, o continente tem utilizado em larga escala um produto transgênico. Trata-se de muitas das notas de euro que circulam, impressas com base em papel produzido com algodão GM vindo dos EUA. A informação veio dos cientistas Klaus Ammann, da Universidade de Berna, na Suíça, e Oliver Rautenberg, da companhia alemã BioLinX. Os cientistas disseram ainda que o European Central Bank´s compra o algodão dos EUA, onde fazendeiros não separam o produto convencional daquele geneticamene modificado.

Clique aqui para conferir o texto em inglês na íntegra.