Cientistas têm trabalhado em pesquisas para desenvolver insetos GMs que sejam menos nocivos aos animais, aos homens e às plantações. Há também um estudo que busca desenvolver abelhas mais resistentes a doenças e bichos-da-seda que produzam proteínas farmacêuticas.

Os benefícios potenciais, segundo o entomologista Thomas Miller, da Universidade da Califórnia, podem envolver os países desenvolvidos e em desenvolvimento porque os insetos têm enorme impacto na saúde humana e na vida selvagem. “O número de problemas que temos por causa de pragas exóticas é enorme”, diz Miller. Segundo informa, na Califórnia a estimativa é que surja uma nova praga a cada 60 dias. “É uma nova ameaça ao Estado e está crescendo, por isso somos solicitados a operar milagres, mas, para isso, temos de usar a melhor tecnologia disponível, a biotecnologia.”

Confira também a nota original em inglês.