Depois de dez anos, a Itália decidiu retomar os ensaios de campo com os cultivos geneticamente modificados. Os estudos – liberados pela State-Regions Conference, órgão especial composto por representantes do governo federal e de cada uma das 20 regiões italianas que se ocupam de questões de interesse mútuo – deverão ser feitos com nove produtos: kiwi, citros, cereja, morango, milho, berinjela, azeitonas, tomates e uvas. Esses testes serão realizados sob vigilância para manter a distância entre os cultivos GM e os convencionais.

O caminho para a aprovação dos testes com cultivos GM, contudo, não é fácil. Nos últimos anos, tanto as instituições públicas quanto privadas da Itália não obtiveram autorização para realizar pesquisas com os cultivos biotecnológicos.

Embora a biotecnologia agrícola na Itália tenha avançado, alguns cientistas no país consideram que ainda existem limitações para realizar de maneira prática os ensaios de campo.

FONTE: AgroBio