Depois dos Estados Unidos, onde o mamão papaia geneticamente modificado já está nas prateleiras, o Japão também aprovou essa variedade da fruta.

O projeto foi desenvolvido no Departamento de Pesquisa em Agricultura do Pacífico em Hilo, no Havaí, e liderado pelo diretor do Dennis Gonsalves.

Gonsalves nasceu no arquipélago e acompanhou, desde os anos 1940, a infestação das árvores de mamão pelo vírus da mancha anelar (PRSV, na sigla em inglês). “Esse vírus praticamente eliminou a produção na ilha de Oahu em 1950 e no começo dos anos 1960 tivemos que recomeçar em outra ilha”, explica o pesquisador. Graças ao isolamento geográfico, a nova cultura pode se estabelecer. Entretanto, os cientistas sabiam que em algum momento o vírus chegaria ao novo local das plantações, a apenas 30 quilômetros de Oahu.

Em virtude dessa ameaça, a equipe de Gonsalves começou nos anos 1980 a pesquisar e desenvolver uma variedade de mamão papaia que não fosse afetada pelo vírus. Por meio da biotecnologia, um gene do patógeno foi introduzido na planta para criar uma árvore resistente. “O projeto foi bem sucedido e agora a agricultura havaiana superou um novo desafio: a aprovação comercial de uma cultura geneticamente modificada no Japão”, afirma Dennis Gonsalves.

A fruta é o segundo maior cultivo no arquipélago, que exporta sua produção para a parte continental dos Estados Unidos e agora para o Japão. Os japoneses são responsáveis pela compra de 25% a 30% da produção do arquipélago. “O papaia GM é uma alternativa para reestruturar a indústria havaiana de mamão, que movimenta US$ 47 milhões”, relata Gonsalves.

Fonte: Western Farm Press – 21 de Abril de 2010