Sessenta e um por cento dos norte-americanos comprariam alimentos derivados de plantas geneticamente modificadas. Este é um dos resultados da mais recente pesquisa do IFIC (International Food Information Council – Conselho Internacional de Informação Alimental, em português), chamada “Atitudes dos consumidores dos Estados Unidos em relação à biotecnologia alimentar”. A pesquisa, agora divulgada, foi fechada em agosto de 2002, sendo a sétima de uma série iniciada em 1997. A opinião do público norte-americano sobre a biotecnologia manteve-se relativamente estável em relação ao último levantamento, de setembro de 2001.

Segundo o levantamento deste ano, que ouviu 1001 consumidores, 61% dos norte-americanos acreditam que a biotecnologia beneficiará diretamente suas famílias dentro de cinco anos, a mesma porcentagem de setembro de 2001. Os benefícios mais esperados são: saúde e nutrição; qualidade, gosto e variedade; redução do uso de defensivos agrícolas; e segurança. Perguntados se consumiriam alimentos geneticamente modificados com melhor gosto ou mais frescos, 54% responderam que sim, um aumento de dois pontos percentuais em relação ao ano passado.

A respeito do acesso à informação sobre biotecnologia, a pesquisa indica que 72% dos entrevistados já ouviram falar ou leram a respeito dos produtos geneticamente modificados.

O IFIC também abordou a questão da rotulagem dos alimentos transgênicos. O FDA (U.S. Food and Drug Administration, Administração de Drogas e Alimentos dos EUA) exige a rotulagem apenas quando há um alergênico introduzido pela biotecnologia ou quando a engenharia genética modifica a composição nutricional do alimento. Essa norma do FDA foi aprovada pela maioria dos entrevistados: 59%, contra 57% na última pesquisa. Apenas 1% respondeu que gostaria de ter informações sobre transgênicos nos rótulos dos produtos e 2% citaram a engenharia genética como um motivo de preocupação em relação à segurança alimentar.

O IFIC é uma organização sem fins lucrativos que provê informações técnicas e científicas sobre segurança alimentar e nutrição a profissionais de saúde, jornalistas, órgãos governamentais e de consumidores. A íntegra da pesquisa e todo o material referente ao trabalho do IFIC está disponível na página do conselho na Internet, no endereço http://ific.org