O óleo da mamona é usado como lubrificante de motores de alta performance e em alguns cosméticos e produtos medicinais.

Um grupo de cientistas da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, anunciou no mês de agosto o sequenciamento do genoma da mamona. A planta tem chamado a atenção de pesquisadores e da indústria de biocombustíveis por seu potencial de produção de óleo.

Por meio do mapeamento genético, cientistas esperam identificar os genes que produzem o valioso óleo da mamona sem criar uma proteína tóxica chamada ricina. Segundo o pesquisador afiliado à Universidade de Maryland, Pablo Rabinowicz, a ricina, encontrada em altos teores nas sementes da planta, bloqueia o funcionamento dos ribossomos (organelas que reúnem aminoácidos em proteínas) e pode causar a morte das células. “Esse trabalho pode ser a chave para dominarmos o processo metabólico do vegetal”, afirma Rabinowicz.

O óleo da mamona é usado como lubrificante de motores de alta performance e também em alguns cosméticos e produtos medicinais. Além disso, a planta está sendo estudada como componente alternativo do biodiesel, principalmente por conter altas concentrações de óleo e crescer bem sob condições que outras espécies não suportam.

Fonte: Universidade de Maryland – Agosto de 2010