A mandioca transgênica resistente a duas das maiores doenças causadas por vírus – a podridão da raiz e a doença do mosaico – pode estar disponível para produtores africanos até 2015

A doença do mosaico destrói 35 milhões de toneladas da produção africana de mandioca por ano. De acordo com diretor do Centro de Pesquisa em Plantas Donald Danforth, Claude Fauquet, acabar com essa perda pode significar a diferença entre importar e ser autossuficiente na produção de alimentos.

O pólo de pesquisa da mandioca geneticamente modificada (GM) fica nos Estados Unidos, mas estão sendo construídos laboratórios na África e os cientistas locais treinados para dar continuidade ao projeto na fase dos testes de campo. Os países africanos envolvidos na iniciativa são: Quênia, Tanzânia, Uganda e Nigéria.

A equipe de cientistas já realizou testes de campo com outra planta, o tabaco geneticamente modificado, resistente ao mesmo tipo de doença. Pesquisadores aguardam a liberação de seus governos para a realização dos testes em campo com a mandioca.

Fonte: AllAfrica.com – Julho de 2010