Gorila-das-montanhasO genoma dos gorilas-das-montanhas foi completamente sequenciado. O resultado do esforço conjunto de cientistas dos Estados Unidos e da Europa, liderados pelo pesquisador inglês do Instituto Wellcome Trust Sanger, Chris Tyler-Smith, foi publicado na revista científica Science. O mapeamento genético é uma importante ferramenta para entender a evolução dos seres vivos e, no caso dos gorilas, serve também para tentar interromper a declínio da população.

Comparando o genoma dos gorilas-das-montanhas com o DNA de outras espécies de gorilas, foi descoberto que esses primatas têm uma baixa diversidade genética, o que sugere fortemente que houve endogamia (o acasalamento de indivíduos geneticamente próximos). Entretanto, embora a consanguinidade aumente vulnerabilidade, no caso desses animais, esse comportamento contribuiu para a sobrevivência, uma vez que reduziu a ocorrência de mutações genéticas nocivas.

De qualquer maneira, a maior ameaça a esses grandes primatas ainda é a destruição de seu habitat natural e a caça. Entretanto, apesar de a espécie ainda estar sob risco de extinção, entre 1981 e 2015 a população de gorilas-da-montanha subiu de 253 para 480 indivíduos.

Fonte: Science, Abril de 2015