Em nome das pesquisas em bioinformática, o Instituto Riken, do Japão, tem hoje o supercomputador mais rápido do mundo. A máquina, que é baseada no sistema operacional Linux e utiliza computadores comuns, pode fazer um trilhão de operações por segundo. Segundo a empresa Fujitsu, que desenvolveu o equipamento, o novo computador tem velocidade sete vezes maior que os sistemas hoje utilizados para seqüenciamento genético.