Produzida a partir de água, malte, lúpulo e leveduras, a cerveja é consumida em praticamente todas as partes do mundo e é responsável por cerca de 1,6% do PIB brasileiro e 14% da indústria de transformação do País, com geração de mais de 2,7 milhões de empregos ao longo da cadeia produtiva, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja. No entanto, a bebida tem seu futuro ameaçado, uma vez que dois de seus principais ingredientes correm risco de extinção: a cevada, usada para gerar o malte, e o lúpulo.

A explicação para isso está nas mudanças climáticas.  Segundo estudo publicado no jornal Nature Plants e em que um dos autores é o pesquisador britânico Dabo Guan, da Universidade de East Anglia (Inglaterra), se o aquecimento global continuar no ritmo atual, fenômenos como secas e ondas de calor podem afetar as principais regiões produtoras de cevada do mundo, o que pode afetar colheitas e preços. De acordo com as estimativas do material, durante os eventos climáticos mais severos, o preço da cerveja dobraria e o consumo global diminuiria em 16%, ou 29 bilhões de litros, o que é equivalente ao consumo anual total da bebida nos EUA. Mesmo sob o cenário mais otimista de mudanças climáticas, o consumo de cerveja ainda cairia 4%. Fenômeno similar acontece com o lúpulo. Nos Estados Unidos, a maior parte do ingrediente é cultivado no Yakima Valley (estado de Washington). Nesta região, espera-se um aumento de temperatura e ocorrência de secas.


VEJA TAMBÉM

Pesquisador produz cerveja sem lúpulo com levedura transgênica

Como a biotecnologia pode evitar a extinção da banana?


De acordo com cientistas, as respostas para os desafios de minimizar os impactos nas produções de cevada e lúpulo certamente estão na biotecnologia. Uma das possibilidades, apontada pela Universidade de Adelaide (Austrália), seria selecionar variedades de cevada, cujo genoma foi sequenciado em 2012, com maior quantidade de aleurona, tecido presente no grão e diretamente relacionado à quantidade de malte produzida. Segundo Matthew Tucker, professor da instituição, a identificação de tipos de cevada com diferentes níveis de aleurona poderia beneficiar a produção da cerveja.

Além disso, há uma possível alternativa para substituir o lúpulo por leveduras transgênicas, com genes de hortelã e manjericão, estudadas atualmente pelo cientista Davis Charles Denby, da Universidade da Califórnia. Segundo ele, a troca do tradicional ingrediente também viabilizaria a diminuição de impactos ambientais, uma vez que a produção de lúpulo demanda intenso consumo de água. Em testes realizados no laboratório sensorial da instituição, 50% das amostras de cerveja produzidas a partir da levedura transgênica (e sem lúpulo) apresentaram o amargor típico da bebida feita de maneira tradicional.

Para a diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), Adriana Brondani, a pesquisa de Denby é mais um exemplo de como a biotecnologia pode ser uma aliada do meio ambiente e da continuidade de diversos cultivares ao redor do mundo. “Além do uso como alternativa para minimizar os impactos da possível extinção do lúpulo, os microrganismos geneticamente modificados têm potencial para biorremediação de águas e solos poluídos”, afirma a especialista. Adriana e os autores do estudo publicado na Nature Plants não descartam, ainda, que cultivares de cevada mais resistentes à seca ou ao calor possam ser desenvolvidos no futuro, o que reduziria o risco de redução ou fim do fornecimento de cerveja.

 

Fonte: Redação CIB