O crisântemo azul e o cravo são duas das espécies de flores GM que estão trazendo ao mercado japonês altos lucros. Companhias como a Suntory Ltd e a Kirin Brewery Co. têm usufruído de um movimento comercial que chega a 100 bilhões de ienes por ano, cerca de US$ 91 bilhões.
Em relação ao cravo, por exemplo, trata-se de uma recombinação, o que deve acontecer também com o desenvolvimento da rosa recombinada. No crisântemo, a técnica envolve a inserção de um gene num micróbio e, em seguida, expor as pétalas a uma solução desses micróbios. O processo de inserir o gene na planta obteve porcentagem de sucesso entre 4,5% e 5%, bem mais do que a porcentagem típica de 0,1%. Também se busca que o gene, uma vez inserido, fique estável.
Com técnicas como essa é possível desenvolver novas espécies de flores em apenas dois ou três anos, período muito mais rápido que o método natural.