Os consumidores não vão sentir nenhuma diferença de sabor entre o milho convencional e o milho biofortificado.

No entanto, a nova variedade possui um gene que melhora a produção dos aminoácidos necessários para a síntese de proteínas nos seres humanos. O milho biofortificado com alta qualidade protéica foi criado pelo Centro Internacional de Melhoria do Milho e do Trigo, CIMMYT, para fornecer alimentos mais nutritivos para a população. O CYMMYT é uma instituição financiada pelo governo do México e pela Fundação Rockefeller.

O técnico de estatística Nilupa Gunaratna, da Fundação Internacional de Nutrição, liderou uma equipe multidisciplinar de quatro profissionais na análise do impacto do novo milho em crianças desnutridas. A conclusão do trabalho mostrou que, no caso de crianças que consumem milho como o principal alimento, aquelas que se alimentaram com o grão biofortificado tiveram taxas de crescimento mais altas com relação à altura (9%) e peso (12%).

O milho é a terceira cultura mais cultivada no mundo. Na África, é um alimento básico para mais de 300 milhões de pessoas. No Brasil, foi colhida na safra 2008/2009 uma área de 14,17 milhões de hectares, o que coloca o país como terceiro no ranking mundial de área colhida. No ano de 2009, o Brasil produziu 51 milhões de toneladas de milho

Fonte: CIMMYT – Maio de 2010