Pesquisadores da Universidade de Riverside desenvolveram um tipo de milho com baixo teor de carboidrato. A equipe conseguiu produção do dobro de proteína e metade do carboidrato do que produz a planta tradicional.
Se esse milho experimental for comercializado, a idéia é que fortifique as dietas de proteína das populações mais famintas do globo. Mesmo nos EUA, onde o acesso à proteína não é um problema, as pessoas poderiam comer milho, mas não consumindo a mesma quantidade de carboidrato que existe na variedade normal.