Morreu nesta quinta-feira (18 de junho), em Piracicaba (SP), Ernesto Paterniani. Um dos maiores especialistas em genética do milho no Brasil, Paterniani formou-se Engenheiro Agrônomo na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), em 1950. No ano seguinte, com bolsa da Fundação Rockefeller, passou um ano no Programa Agrícola Mexicano, precursor do CIMMYT.

Doutor em Agronomia e Livre-docente pela Esalq/USP, exerceu atividades de docência e pesquisa no Departamento de Genética da ESALQ/USP, de 1952 a 1983, quando se aposentou.
 
Paterniani foi responsável pelo Banco de Germoplasma de Milho, tendo focado seu trabalho na identificação e avaliação de raças de milho e métodos de melhoramento de populações, tendo desenvolvido inúmeras variedades melhoradas.

Em 1962 e 1963 exerceu o cargo de Professor Titular na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro para ministrar os cursos de Genética e de Evolução, atendendo ao convite do Prof. W.E. Kerr para substituí-lo por ter assumido a Diretoria Científica da FAPESP. Em decorrência do curso de Evolução, determinou a distância efetiva de dispersão do pólen de milho no campo (Euphytica, 23:129) e conduziu seleção para isolamento reprodutivo entre duas populações de milho (Evolution, 23:534), pesquisa que se tornou clássica nos cursos de Evolução de vários países.

O Prof. Paterniani desenvolveu atividades administrativas na ESALQ, como Chefe do Departamento de Genética, Diretor do Instituto de Genética, Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas, Presidente da Comissão de Pós-Graduação e membro de várias comissões. Foi Membro Fundador da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, Membro Titular da Academia de Ciências do Terceiro Mundo e membro da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) de 1996 a 2001.

Ao Professor Paterniani, a homenagem do CIB e de nossos conselheiros.


*Com dados da Academia Brasileira de Ciência