Uma empresa americana de biotecnologia anunciou que o desenvolvimento do Uso Eficiente de Nitrogênio (NUE) na canola já apresenta os seus primeiros resultados positivos. Somado ao sucesso dos oito testes em campo durante cinco estações de colheita, o grupo estabeleceu uma parceria com outra companhia para desenvolver a canola NUE. Os primeiros experimentos em campo indicam um notável progresso.

Os testes demonstraram que a canola NUE pode manter os ganhos normais usando 50% menos fertilizantes de nitrogênio, ou aumentar os lucros em 15% sob o uso normal deste adubo.

Safras convencionais podem absorver apenas metade do nitrogênio aplicado na forma de fertilizador – a outra metade vai para a atmosfera, lençóis freáticos e águas da superfície. Apesar de ser um prato cheio para críticas dos ambientalistas, este modo de trabalho é bastante utilizado pelos agricultores devido ao aumento nos ganhos por unidade vegetal. Já a tecnologia NUE oferece a oportunidade de se aumentar os lucros ao mesmo tempo em que ajuda a diminuir o impacto no meio ambiente.

“Os campos de teste com a canola NUE e as atividades de desenvolvimento variadas continuam demonstrando que em breve os agricultores terão a opção de plantar safras que aumentem seus ganhos e reduzam a quantidade de nitrogênio que vai para a atmosfera e a água” disse o presidente e coordenador executivo oficial da Arcádia, Eric Rey. “Estamos encorajados pela oportunidade de que esta tecnologia seja disponibilizada de forma vasta entre os fazendeiros das principais regiões plantadoras de canola do mundo”.

Fonte: SeedQuest