A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou nesta quinta-feira (16) uma semente transgênica de algodão que combina resistência a pragas e também tolerância a herbicidas.

A tecnologia controla pragas da família das lepidópteras que atacam o algodão no Brasil, entre as quais a curuquerê do algodoeiro (Alabama argillacea), lagartas das maçãs (Heliothis virescens e Helicoverpa zea) e lagarta rosada (Pectinophora gossypiella), com a proteção adicional das plantas contra a lagarta do cartucho (Spodoptera frugiperda). O defensivo químico ao qual a semente é tolerante é o glifosato.

Além do México, o produto já é aprovado para plantio na Austrália (2006), Colômbia (2007), Costa Rica (2008) e África do Sul (2007). Japão, Coreia do Sul e Filipinas também liberaram o processamento do produto para uso humano e animal, bem como sua importação.

Clique aqui e veja detalhes sobre esse evento geneticamente modificado.

Fonte: Redação CIB – 17 de agosto de 2012