É possível que você já tenha usado o termo, mas você sabe realmente o que é DNA? Também conhecido como a molécula da vida, ele está presente em todos os seres vivos e desempenha papel fundamental em diversas tecnologias que hoje entregam inovações para a sociedade. Ele é a base de todas as características dos seres vivos, presente nas células de humanos, animais e plantas. Venha conosco e desvende os segredos do DNA.

O que é DNA

O que é DNA

Talvez a primeira coisa que você deva saber é que DNA é uma sigla que sequer está em português. A palavra é formada pelas letras de deoxyribonucleic acid. Em português isso quer dizer ácido desoxirribonucleico ou, como é conhecido em Portugal, ADN.

Mas agora vamos ao que interessa: de fato, o que é DNA?

Trata-se da molécula que contém as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos, seja um ser humano, um cachorro, um pé de alface ou um fungo. Parece importante, não é?! E é mesmo. Isso porque a função do DNA é armazenar e transmitir para os descendentes as informações genéticas do organismo.

Sequências de DNA formam os cromossomos. Cada organismo tem um número diferente de cromossomos. O ser humano, por exemplo, tem 46 (recebemos 23 da mãe e outros 23 do pai). O gene, por sua vez, é a parte funcional do DNA.

A descoberta do DNA

A estrutura do DNA foi descoberta conjuntamente pelo norte-americano James Watson e pelo britânico Francis Crick em 7 de Março de 1953. Isso foi tão revolucionário que rendeu aos pesquisadores, em 1962, o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina, juntamente com o colega Maurice Wilkins. Saiba um pouco mais dessa história no vídeo abaixo.

Watson, Crick e Wilkins ficaram mundialmente famosos. Mais recentemente, entretanto, veio à tona a contribuição decisiva que a pesquisadora Rosalind Franklin deu para a descoberta que lhes rendeu o Prêmio Nobel e pela qual ela não foi reconhecida em vida.

A estrutura do DNA

O DNA tem estrutura dupla hélice (helicodial), que lembra uma escada torcida. As duas hélices, ou filamentos, são formadas por fosfato (ácido e açúcares) e unidas por substâncias conhecidas como bases nitrogenadas, que seriam os degraus da escada.

o que é DNA e sua estrutura

Os pares de bases nitrogenadas são as únicas porções que variam na estrutura do DNA. São elas:

  • Adenina (A);
  • Timina (T);
  • Citosina (C);
  • Guanina(G).

Os pares são sempre iguais. A interage com a T (A-T), e C com G (C-G) ou vice-versa (T-A e G-C) para formar as hélices. Desde o momento em que entendemos o que é DNA e qual é a sua estrutura, passamos a investigar a origem dos genes, seu funcionamento e expressão.

Apenas na década de 1980 é que foi possível manipular e combinar, em laboratório, genes de seres vivos de diferentes espécies desenvolvendo-se a tecnologia de DNA recombinante. Esses foram os primeiros passos para o desenvolvimento dos transgênicos.

Sequenciamento do DNA

O sequenciamento (ou mapeamento) do DNA (ou do genoma) de um organismo é a técnica utilizada para determinar o número e ordem das bases nitrogenadas que fazem parte do DNA de um ser vivo. Quando se diz que um genoma (conjunto completo de genes e demais porções do DNA) foi sequenciado significa que foi determinada toda a sequência do DNA daquele organismo.

Por meio do sequenciamento do DNA das espécies é possível obter informações sobre a linha de evolução delas. Isso significa: saber quem tem o DNA mais parecido. Foi isso que ajudou a descobrir que nosso DNA é 98,5% igual ao dos chimpanzés. Além disso, o mapeamento dos genomas pode conter informações que ajudem a diagnosticar doenças, a formular novos medicamentos e a prevenir males que podem vir a se desenvolver.


Projeto Genoma Humano

É o projeto de pesquisa internacional que teve como objetivo mapear o DNA do ser humano. Financiado pelo governo norte-americano e concluído em 2003, o projeto Genoma Humano revelou que o nosso DNA é formado por cerca de 20 mil genes, diversas áreas que não são genes. Tudo isso distribuído em 23 pares de cromossomos.

Depois do projeto, cientistas descobriram que é possível alterar genes que aumentam a nossa predisposição a determinadas doenças, como alguns tipos de câncer. Ativar ou silenciar o gene patológico (aquilo que está relacionado com uma patologia, que é um conjunto de sintomas associado a uma doença).


Você já comeu DNA hoje?

Se você tem olhos castanhos, isso se deve à parte do seu DNA que determina essa característica. Da mesma maneira, uma alface é crespa por causa de um gene que confere essa característica a ela. Quando comemos uma alface crespa ingerimos tudo que está nesta alface, inclusive o DNA, que, como o restante da planta, será digerido pelo nosso organismo.

Ainda que o DNA esteja em muitos dos alimentos que consumimos, algumas pessoas se perguntam se existe algum risco em consumi-lo. A bióloga, doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Adriana Brondani, explica que ninguém precisa ficar preocupado. “O DNA será digerido, assim como os demais componentes dos alimentos”, explica.

E para aqueles que questionam sobre a segurança de ingerir um DNA de um organismo transgênico é preciso lembrar que DNA é sempre DNA. Ou seja, a digestão é exatamente igual a que fazemos com um DNA não modificado. Como o Brasil cultiva soja geneticamente modificada há 20 anos e milho transgênico há mais de uma década, é muito provável que a maioria dos alimentos processados e bebidas contenham algum derivado desses transgênicos.

Portanto, não há risco na ingestão de DNA de alimentos como plantas ou carnes,

sejam eles transgênicos ou não.


SAIBA MAIS
Conclusão do mapeamento do genoma do trigo pode ajudar a alimentar o mundo

DNA da onça revela origem das suas fascinantes características

Genoma do café: cientistas divulgam mapeamento do DNA do grão


Biotecnologia a serviço da alimentação

Interferir na genética dos alimentos é uma prática antiga que foi ficando cada vez mais precisa ao longo dos anos, principalmente com a descoberta da estrutura do DNA e o advento da biotecnologia.

Graças à biotecnologia é possível fazer modificações no DNA de plantas, bactérias, fungos, por exemplo, para que eles ganhem novas características, como resistência a insetos, adição de nutrientes, capacidade de produzir novas substâncias etc.

As novas variedades obtidas por meio dessas modificações são chamadas de transgênicas porque tiveram um gene de outro organismo transferido para o seu.

A agricultura é uma das áreas que mais tem se beneficiado com os transgênicos. Hoje é impossível pensar na produção de alimentos sem eles, pois garantem alimento em quantidade e qualidade necessária para a demanda crescente da população mundial.

Você sabe o que é DNA? Nunca vi nem comi, só ouço falar!

Agora que você sabe tudo sobre o DNA, apostamos que você gostaria de vê-lo, não é mesmo?

Nas frutas, apesar de ficar protegido dentro da célula, que é envolta por uma camada de gordura, essa proteção pode ser destruída com uma espécie de detergente. Depois de rompida a camada de gordura, o DNA é liberado com tudo que está dentro da célula.

Siga os passos abaixo e faça sua própria extração de DNA de morangos.


VOCÊ TAMBÉM PODERÁ SE INTERESSAR POR

OGM e Transgênicos: você sabe a diferença?

Transgênicos no Brasil: conheça seus benefícios e sua trajetória


Extração caseira de DNA

Você vai precisar de:

  • Alguns morangos maduros (4 ou 5)
  • Um saco plástico com fecho do tipo ziplock grande
  • 2 colheres de chá de sal de cozinha
  • 900 ml de água
  • 50 ml de detergente incolor
  • Filtro de papel (coador de café)
  • 1 pote de vidro
  • 1 tubo de ensaio grande
  • 1 bastão de vidro ou pau-de-laranjeira (de tamanho compatível com o tubo de ensaio)
  • Álcool absoluto gelado

Como fazer:

  1. Coloque um morango, previamente lavado e sem as sépalas (as folhinhas verdes) em um saco plástico.
  2. Esmague o morango com o punho por, no mínimo, 2 minutos.
  3. Adicione a solução de extração (água, sal e detergente) ao conteúdo do saco.
  4. Misture tudo, apertando com as mãos, por 1 minuto.
  5. Derrame o extrato no aparato filtrante e deixe filtrar diretamente dentro do tubo. Não encha totalmente o tubo (encha somente até 1/8 do seu volume total).
  6. Derrame devagar o álcool gelado no tubo, até que o mesmo esteja cheio pela metade.
  7. Mergulhe o bastão de vidro ou o pau-de-laranjeira dentro do tubo no local onde a camada de álcool faz contato com a camada de extrato.
  8. Mantenha o tubo ao nível dos olhos para ver o que está acontecendo.