A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou no último dia 23 estar comprovado que os alimentos geneticamente modificados comercializados atualmente são “seguros”. No entanto, ressaltou que não há garantias de que os próximos a entrar no mercado também serão.

O diretor de Segurança Alimentar da OMS, Jorge Schlundt, afirmou que, por agora, “não existem dados que sugiram que esses tipos de produtos apresentem riscos” para a saúde, mas ressaltou que “isso não significa que no futuro também sejam inócuos”.

Alguns dos genes usados na produção de alimentos transgênicos nunca pertenceram antes à cadeia alimentar e muitos temem que sua introdução causa mudanças na atual estrutura genética das lavouras.

Ele insistiu que é necessário realizar freqüentemente uma análise dos riscos potenciais desses produtos não só em termos de saúde, mas também em visando ao aspecto sócio-econômico e de meio ambiente.

Os testes dos alimentos geneticamente modificados são feitos com animais, através dos quais se pode prever a reação que os humanos, seguindo a mesma pauta usada para a análise de aditivos químicos que se incorporam aos alimentos, explicou Schlundt.

O especialista apresentou um comunicado da OMS sobre o “Impacto da biotecnologia nos alimentos, a saúde e o desenvolvimento humano”, que afirma que os produtos transgênicos presentes no mercado internacional “foram submetidos a todos os testes de riscos e examinados com maior rigor que os alimentos normais”.

Fonte: Agência EFE e Globo Online

Leia o relatório completo, em PDF.
http://www.who.int/foodsafety/ publications/biotech/biotech_en.pdf