O Departamento de Agricultura dos EUA (United States Department of Agriculture – USDA) emitiu um comunicado oficial atestando que, definitivamente, o milho Bt, geneticamente modificado, não apresenta riscos para as borboletas Monarca. O comunicado foi um ponto final a um assunto que vinha rendendo várias discussões, em razão da importância dessa espécie de borboleta nos EUA. A afirmação foi resultado de uma pesquisa conduzida por um grupo de cientistas coordenados pela Agricultural Research Service (ARS), do USDA.

A questão envolvia a emissão de pólen do milho Bt e a avaliação sobre possíveis efeitos tóxicos para as borboletas a ele expostas. Duas perguntas básicas foram feitas para se chegar à conclusão de que não há riscos: qual a quantidade de grãos de pólen necessária para que houvesse efeitos tóxicos e qual a probabilidade de as borboletas ficarem expostas a tal quantidade de pólen? A conclusão do estudo foi que uma quantidade de pólen considerada tóxica seria de 1.000 grãos por centímetro quadrado. As borboletas, segundo verificação, ficam expostas normalmente de uma a duas semanas, mas apurou-se que, num período desses, a quantidade de pólen média emitida era de apenas 170 grãos por centímetro quadrado.

Leia a matéria na íntegra.