Cientistas conseguiram um aumento de 30% a 60% de proteína nas sementes da soja

As cientistas Eve Wurtele and Ling Li, do laboratório de biologia da Universidade do Estado de Iowa, introduziram, por meio de técnicas de biotecnologia, um gene da Arabidopsis (uma planta da família da mostarda) na soja e conseguiram um aumento de 30% a 60% na quantidade de proteína nas sementes da planta.

O gene em questão tem relação com a regulação e o acúmulo de amido, a chamada deposição.  Estudos complementares mostraram que o gene não está envolvido diretamente com a síntese do amido, mas pode estar implicado na alteração da composição da planta em geral. Daí surgiu a ideia de utilizá-lo na soja, que é uma leguminosa de grande importância agronômica.

O resultado foi que a concentração de proteína da soja foi significativamente maior. O gene é atípico por sua sequência de DNA e também por seu tamanho. O próximo passo é fazer a experiência em outros cultivos a exemplo da batata, da mandioca e de outros alimentos, que são básicos na dieta de diversas populações.

Fonte: Universidade de Iowa – 07 de abril de 2011