Há cerca de 150 anos, Mendel e suas ervilhas começaram a lançar as bases para o entendimento que temos hoje da genética. Ele certamente ficaria orgulhoso por saber que pesquisadores na França já decodificaram o genoma das ervilhas (Pisum sativum). A ervilha é uma das muitas espécies vegetais nas quais não é possível utilizar a principal técnica da biotecnologia em plantas: a transformação mediada por uma bactéria de solo, a Agrobacterium.

O relato dos pesquisadores na revista Genome Biology diz já ter sido descoberta a primeira ferramenta genética de grande eficácia para a ervilha, que pode trazer grandes benefícios para melhorias em todo o mundo.

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica (INRA) desenvolveram uma coleção referência de transgênicos de alta qualidade genética de Pisum sativum em parceria com European Grain Legumes Integrated Project. Os cientistas utilizaram plantas do cultivar Caméon, de florescimento rápido, para criar uma população transgênica, que foram separadas de acordo com suas características fenotípicas (visualmente observáveis) para uso reverso e direto em estudos genéticos.

A equipe criou a ervilha TILLING (Targeting Induced Local Lesions In Genomes) com amostras de DNA de 4704 plantas. A técnica do TILLING supera a inadaptação natural da ervilha às técnicas de modificação genética, e é uma ferramenta poderosa para investigar o papel de genes essenciais. Esta nova ferramenta tem implicações tanto para ciência básica como para a melhoria dos cultivos.

Após esse estudo, os investigadores criaram um banco de dados que descreve cada mutante de planta, em diferentes estágios de desenvolvimento (da semente até a maturação dos frutos), e também incorpora imagens digitais das plantas.

FONTE: Checkbiotech.org – 26 de fevereiro de 2008