Pesquisadores nas Filipinas desenvolvem arroz transgênico com apoio de consórcio internacional.

O trabalho da Universidade de Sheffield, nas Filipinas, pretende aumentar em 50% a produtividade do arroz por meio da biotecnologia. A ideia é que o arroz geneticamente modificado utilize a fotossíntese, processo em que as plantas convertem dióxido de carbono em carboidratos necessários ao crescimento da planta, de forma mais eficiente.

A fotossíntese do arroz é chamada de C3, mas algumas plantas, como o milho e o sorgo, utilizam a fotossíntese C4. As culturas que convertem o dióxido de carbono pelo processo C4 são mais eficientes devido à enzima RuBisCo, crucial para o processo. Se os cientistas conseguirem criar o arroz faz a fotossíntese via C4, a cultura poderá produzir 50% mais grãos com menor utilização de água e fertilizantes.

“Como as plantas C4 crescem melhor em climas quentes, o novo arroz pode ser importante para a economia de países em desenvolvimento das zonas tropicais.”, afirma Richard Leegood, líder da equipe internacional de cientistas envolvidos no trabalho. O projeto tem previsão de longo prazo, não inferior a 20 anos.

Fonte: Scidev.net -Julho de 2010