Cientistas australianos isolaram uma proteína encontrada na violeta azul, presente nas zonas tropicais da África, com o objetivo de utilizá-la na plantação do algodão. Essa proteína, segundo eles, ao ser produzida no algodão, protegerá a planta contra a Helicoverpa caterpillar, praga que potencialmente destrói de 10% a 15% da plantação. O professor do Instituto para a Biociência Molecular, da Universidade de Queensland, David Craik, disse que inserida no algodão, essa proteína vai fornecer proteção suficiente, funcionando como um inseticida natural, “eliminando a necessidade de pulverizações químicas que podem prejudicar o meio ambiente”.

A pesquisa está sendo acompanhada com interesse pelos envolvidos com a indústria de algodão e pelo governo, já que esse segmento na Austrália envolve bilhões de dólares.

Clique aqui para ler a matéria completa.