O ministro da Agricultura do Quênia, Willian Ruto, afirmou que os organismos geneticamente modificados (OGMs) podem ajudar a garantir a autossuficiência do país em alimentos. De acordo com ele, a introdução da biotecnologia no Quênia poderá torná-lo capaz de produzir variedades locais em quantidade suficiente para suprir a população.

Um sério problema do Quênia é que o país é um grande importador de alimentos, mas não permite a entrada de alimentos geneticamente modificados. “É necessário que nós, como país, não nos paralisemos com o que aconteceu antes. Temos que nos mover cada melhor para usar as pesquisas e conhecimentos científicos e resolver a falta de alimentos”, disse Ruto. Ele era inflexível em não permitir que nenhum alimento geneticamente modificado entrasse no mercado queniano, mas agora disse que o país está realizando pesquisas sobre a liberação dos OGMs.

O país está atualmente sofrendo sua pior seca em anos, o que já custou muitas vidas, com a probabilidade de outros milhões ainda por serem sacrificadas devido à escassez de alimentos.

Entre os passos que o país começou a dar no sentido da abertura para os transgênicos está o estabelecimento da Autoridade Nacional de Biossegurança, aprovada neste ano, para regular os assuntos ligados aos OGMs.

Fonte: http://greenbio.checkbiotech.org /news/kenya_yet_accept_gmos – 07/10/2009