Cientistas, pesquisadores e estudantes de todo o mundo participaram, de 3 a 6 de abril, da BioVision Alexandria 2004 Conference, na Biblioteca Alexandrina, no Egito. As discussões incluíram questões sobre comércio, patente e países em desenvolvimento, destacando as pesquisas de biossegurança.
Num painel denominado Intellectual Property Rights (direitos de propriedade intelectual), o co-vice-presidente da European Action on Global Life Sciences, David McConnel, disse que os perigos genéticos que resultam da biotecnologia são limitados, em comparação com outras tecnologias. Ele acentuou que, nos últimos três anos, nenhuma pesquisa de engenharia genética ou experimento biotecnológico causou morte ou acidente em países desenvolvidos ou em desenvolvimento.
O foco central do evento foram questões como a globalização, necessidade das populações pobres, regras de comércio internacional e modos de buscar a disseminação dos benefícios e vantagens oferecidas pela chamada revolução “New Life Science”.