O California Potato Research Advisory Board, dos EUA, destinou a quantia de US$ 29,5 milhões para estudos em 2004 e 2005 com vistas ao combate das bactérias Erwinia e E.chrysanthemi. Ambas são associadas à morte prematura da planta, pois bloqueiam o sistema vascular da batata, impedindo que a água alcance as folhas. Desse modo, causam a morte da planta.

Mike Davis, patologista da Universidade da Califórnia, disse que há uma conexão entre essa ocorrência e a idade, cronológica ou fisiologicamente falando, da batata semente. “Velhas” sementes, diz ele, são presas pelo distúrbio, “mas não tenho como medir a idade fisiológica”.

Assim, Davis está isolando componentes da planta “envelhecida” para usá-los em testes e trazer a doença para batatas saudáveis. “Achamos que a doença é pior no Condado de Kern por causa da alta temperatura, que apressa o envelhecimento da semente”. O cientista disse ainda que têm suspeitas de que a bactéria Erwinia, mesmo que altamente tóxica à batata, matandoa-a quase que imediatamente, “não é diretamente responsável pela morte prematura da planta. Há algo na semente envelhecida que causa a expansão das células e o bloqueio no sistema circulatório da planta.”