O trabalho deve ser conduzido de forma puramente acadêmica, sem agenda comercial, e os testes com a cultura serão realizados até 2012.

O Departamento Britânico de Meio-Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (DEFRA) finalmente deu sinal verde para as pesquisas com a batata transgênica no país. Os cultivos serão feitos pela Universidade de Leeds que avaliará a resistência dessa nova planta à infecção de nematóides, no caso, o cisto da batata.

Estes organismos são uma grande ameaça para os agricultores europeus de batata, uma vez que naquele continente está proibido o uso dos principais defensivos agrícolas que podem evitar tais ataques. Se os resultados das pesquisas com a batata GM feitas no Reino Unido tiverem êxito, as pragas poderão ser eliminadas sem o uso de herbicidas.

O cientista da Universidade de Leeds, Peter Urwin, entretanto, salientou que a experiência é puramente acadêmica e que não há agenda comercial por traz dela. “A equipe pretende manter o trabalho em regime de confidencialidade até o fim, para impedir que vândalos destruam os ensaios de campo como já aconteceu antes”, afirmou Urwin.

A solicitação da Universidade de Leeds foi aprovada depois de ser avaliada por um grupo de especialistas independentes da Comissão Consultiva de Liberações ao Meio Ambiente, que concluiu que a proposta não representava qualquer possibilidade de efeito adverso à saúde humana e ao meio ambiente.

Junho de 2010