O ativista Mark Lynas, conhecido por sua militância contra o aquecimento global e o desenvolvimento de transgênicos, declarou, durante a Conferência Agrícola de Oxford (The Oxford Farming Conference), dia 3 de janeiro, estar arrependido por ter combatido os organismos geneticamente modificados (OGM). “Descobri que o movimento anti-OGM é também contrário à ciência.” O ativista tinha sido um crítico da tecnologia da modificação genética desde meados dos anos 1990.  “Peço desculpas por ter ajudado a iniciar o movimento anti-OGM e por ter contribuído para a demonização de uma importante alternativa tecnológica que pode ser usada para o bem do meio ambiente”, completou.

O posicionamento pró-tecnologia do ativista foi compartilhado pelo Secretário de Meio Ambiente britânico, Owen Paterson, que afirmou ser favorável ao uso da biotecnologia para a produção de alimentos. “Não devemos ter medo de mostrar ao público os potenciais benefícios dos organismos geneticamente modificados (OGM) para a cadeia produtiva de alimentos e além dela”, afirmou Paterson.

O presidente da Conferência, Mike Gooding, ressaltou a importância da discussão sobre as tecnologias, especialmente para os agricultores. “Queremos contribuir para que as pessoas ampliem suas visões e fiquem bem informadas”, afirmou. O evento aconteceu entre os dias 2 e 4 de janeiro na cidade de Oxford, Reino Unido.

Fonte: The Oxford Farming Conference, 08 de janeiro de 2013