Um relatório divulgado na Internet pela Agbioforum, Jennifer Thomson, da Universidade de Cape Town, no Sul da África, discorre sobre o progresso ocorrido no país, no Egito e no Quênia no campo da agricultura biotecnológica .

Jennifer mostra o caminho de vários projetos na África, incluindo o de milho mais resistente, tolerante à seca; o desenvolvido pela South African Sugar Experiment Station’s, que envolve cana-de-açúcar resistente a herbicida; outro no The Council For Scientific and Industrial Research’s, com milho resistente a fungos; e no Cairo’s Agricultural Genetic Engineering Research Institute’s, que envolve algodão resistente a insetos. Outras plantas estão sendo testadas, diz Jennifer, “e há empresas já interessadas em sua comercialização”.