A revista britânica Country Life, publicação muito conceituada na área rural, provocou reações com um editorial impetuoso e naqueles que ignoram os benefícios que tais cultivos podem oferecer.

Segundo o editorial, “as gerações futuras vão achar que fomos loucos, ou criminosos, por não termos abraçado (a tecnologia GM)”. O artigo, escrito pelo editor Mark Hedges, marca a primeira vez que a revista teve uma postura forte sobre o debate GM. O editorial alega que a tecnologia GM poderia ajudar a aliviar o tipo de problema causado pela recente subida dos preços dos produtos alimentares além de fornecer plantas que são capazes de resistir aos efeitos das alterações climáticas.

“Lugares onde fendas profundas (geradas principalmente pela exploração de petróleo) sugaram a terra seca vão precisar de cultivos resistentes à seca, caso queiram plantar qualquer tipo de cultivo”, sugere o editorial. “Quando muita água for captada dos aqüíferos, permitindo a água do mar infiltrar, haverá uma demanda por plantas tolerantes a salinidade”. E acrescenta: “A população mundial deverá crescer dos 6,7 bilhões (atuais) para 9 bilhões. Vamos precisar de diferentes tipos de plantas – mais produtivas e versáteis – e precisamos delas depressa”.

O editorial alega que cultivos GM que necessitam de menos fertilizantes poderiam, de fato, ajudar a reduzir as emissões de carbono na agricultura. “Eu considero apenas que a sociedade britânica foi inacreditavelmente descuidada em banir cultivos GM”, defende Hedges, que considera que os britânicos já não podem ignorar os possíveis benefícios que a tecnologia GM pode oferecer. Para ele, apesar da inesperada divulgação da opinião da revista, o fato trazido pelo artigo vai incentivar as pessoas a tomar conhecimento dos problemas e começar o debate novamente, em vez de simplesmente ignorá-los.

Em todo o mundo, os cultivos geneticamente modificados são plantados por pelo menos seis milhões de agricultores em 16 países, mas o Reino Unido não tem produção comercial. De acordo com a Union National Farmers, apenas um produto geneticamente modificado, uma batata resistente a requeima, está sendo testada em Cambridge, na Grã-Bretanha.

O editorial de Mark Hedges (em inglês) pode ser lido no link:
http://www.countrylife.co.uk /countryside/article/ 199290/ Time_to_love_GM_foods.html

FONTE: http://www.independent.co.uk/ environment/green-living /its-crazy- to-ignore-benefits -of-gm-food-says-country -life-798403.html