Cientistas liderados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) deram um passo importante para que um dia os alimentos contendo soja sejam seguros para pessoas alérgicas a este alimento.

Os pesquisadores de biotecnologia em plantas desenvolveram um método para silenciar o gene que produz a proteína causadora de pelo menos 65% das reações alérgicas nas pessoas.

Como aponta a fisiologista de plantas Eliot Herman, esta é provavelmente a primeira vez que um alérgeno humano dominante foi “nocauteado” a partir de uma das principais safras alimentares utilizando a biotecnologia.

Apesar de a maioria das pessoas alérgicas à soja sofrerem reações relativamente leves, como coceiras e ferimentos na pele, em casos mais graves algumas outras podem entrar em choque anafilático.

Por enquanto a única coisa que as pessoas podem fazer é evitar os alimentos que contenham o grão, o que é bastante difícil, já que ele está presente, de alguma forma, desde os óleos para saladas, passando por biscoitos e cereais até a comida para bebês.

Segundo Herman, as plantas modificadas geneticamente se desenvolveram e cresceram de forma normal, assim como as sementes, com os mesmos tipos de proteínas, óleo e outras substâncias.

Estão sendo feitos mais testes para determinar quais efeitos a soja GM pode provocar nas pessoas. Por enquanto os pesquisadores estão animados pelos primeiros resultados obtidos a partir de testes com o soro do sangue humano, no qual os anticorpos não detectaram os alérgenos.

Este estudo é particularmente importante porque a soja está entre os oito principais alimentos causadores de alergias, juntamente com o amendoim, ovos, leite, mariscos, trigo, noz e peixe.

Fonte: Whybiotech – 27 de junho de 2007