Uma companhia da indústria alimentícia foi buscar nas profundezas do Oceano Ártico uma substância para deixar sua linha de sorvetes mais cremosa e resistente ao congelamento. Os pesquisadores da empresa descobriram que uma proteína do sangue do peixe-carneiro americano (Macrozoarces americanus), parecido com a enguia, tem a propriedade de manter a massa das sobremesas geladas mais macias ao evitar a formação de cristais de gelo.

Chamada de “proteína de estruturação do sorvete”, a proteína foi clonada e aplicada ao genoma de uma linhagem de levedura, para que esta fabrique a substância durante o processo de fermentação. O novo ingrediente já foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos.

Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia dos Alimentos