O Laboratório de Medicamentos Transgênicos de Moscou, na Rússia, encontrou, no tabaco australiano, um caminho para desenvolver um medicamento que busca destruir as células cancerosas malignas no organismo.

A substância teria como base a mais barata e interminável fonte de produção de proteínas do planeta: as plantas. Os ganhos ao utilizá-las para a produção de medicamentos compreendem desde a rapidez do processo, o barateamento – uma vez que o custo chega a ser seis vezes menor que o custo de produção em células animais – e a segurança, pois as plantas não representam perigo de causar infecções perigosas para os seres humanos.

O professor Yury Dorokhov, que lidera as pesquisas, explica que o tabaco australiano foi submetido a um tratamento laboratorial para ser saturado com uma linhagem de bactéria geneticamente modificada, que é capaz de transmitir um fragmento do DNA para as células das plantas. A partir disso, a substância começa a ser produzida. Quando o composto está pronto, as folhas começam a brilhar e é necessário apenas extraí-lo. Dorokhov aponta que o procedimento permite a produção de princípios ativos personalizados para diferentes doenças.

Os pesquisadores já têm uma estufa, em Moscou, onde as plantas estão crescendo.

FONTE: Pravda-ru – 10 de dezembro de 2008