2017-01-04-imagem-300x200-site-interna-crisprpacientecancerCientistas da Universidade de Chendu, em Sichuan, na China, conduziram a primeira inserção de células editadas por meio da técnica CRISPR Cas9 em seres humanos.

As células modificadas foram inseridas em um paciente com um câncer de pulmão agressivo. De acordo com o estudo publicado na revista científica Nature no final de 2016, células imunes do sangue do paciente foram colhidas e, posteriormente, genes específicos foram “silenciados” usando a técnica CRISPR Cas9.

Os genes desligados eram responsáveis por codificar a proteína PD-1, que normalmente freia a resposta das células imunes (o câncer se aproveita dessa função para proliferar).

Depois de modificar as células, os pesquisadores as multiplicaram e reinseriram no paciente. A expectativa do grupo de cientistas é que, sem a proteína PD-1, as células editadas poderão lutar contra o câncer e, eventualmente, vencê-lo.

O plano é fazer esse procedimento em um total de 10 pacientes que, inicialmente, seriam monitorados por seis meses para identificar possíveis efeitos adversos. Após esse período eles continuarão a ser acompanhados para identificar se estão se beneficiando do tratamento.

CRISPR é uma sequência de DNA que pode ser repetida diversas vezes, com sequências únicas entre as repetições. Sempre convenientemente localizado perto dessas sequências, está o gene que expressa a enzima Cas9, que têm a capacidade de cortar precisamente o DNA.

CRISPR Cas9: como funciona?

A dupla CRISPR Cas9 funciona da seguinte maneira: a Cas9 corta o DNA e a CRISPR diz à enzima exatamente onde cortar. O mais interessante é que os cientistas descobriram como informar à Cas9 a sequência a ser editada (por meio de uma cadeia-guia de RNA), retirando um pedaço do DNA e substituindo-o por outro.

Clique aqui para saber como a CRISPR promete aumentar resistência da planta a doenças

Fonte: Nature, novembro de 2016.