Esse é o resultado de uma pesquisa, recentemente divulgada nos Estados Unidos, sobre as cinco principais contribuições da biotecnologia, em 2002, no entender dos norte-americanos. O instituto Roper Center, que realizou o levantamento, entrevistou mil pessoas, das quais cerca de 65% citaram o tomate que previne certos tipos câncer como a mais importante invenção biotecnológica.

A pesquisa também abordou questões genéricas sobre organismos geneticamente modificados. Como já havia sido divulgado anteriormente, o uso da biotecnologia na agricultura conta com a aprovação da ampla maioria americana – com índice superior a 60% dos entrevistados.

O tomate transgênico, citado na pesquisa, foi desenvolvido pela Universidade de Purdue (EUA) e pelo Departamento de Serviço de Pesquisa Agrícola dos Estados Unidos. Com um nível três vezes mais alto do antioxidante licopeno, pode diminuir o risco de câncer de próstata e de mama, além de prevenir doenças cardíacas.

O segundo organismo geneticamente modificado definido como mais importante pelos entrevistados (61%) foi a batata-doce resistente a vírus, desenvolvida no Quênia (África) e que deve ser liberada para comercialização em poucos anos. Batata e banana com vacinas contra o papilomavirus humano (HPV), que provoca o câncer de colo do útero, ficaram em terceiro lugar, com 56%, e já estão na fase de testes. Em quarto lugar no ranking, verduras e frutas mais frescas desenvolvidas pela Universidade de Leeds (Reino Unido), citadas por 54% dos entrevistados. E, por último, com 52%, ficou a pesquisa da Universidade de Sheffield (Reino Unido) que está criando milho, batata e outros produtos com maior resistência ao calor e à luminosidade.

Confira o texto em inglês: http://www.whybiotech.com/index.asp?id=2243