Cientistas da Universidade de Tecnologia de Suranaree (Tailândia) e da Universidade Estadual de Louisiana (EUA) desenvolveram linhagens de tomate geneticamente modificado (GM) com maior resistência à traça-do-tomateiro (Spodoptera litura). As linhagens transgênicas foram modificadas para expressar um gene de batata que codifica para a enzima polifenol oxidase (EPO). A polifenol oxidase, que também tem sido relacionada à resistência da planta à bactéria Pseudomonas syringae, catalisa a conversão de fenóis para quinonas, metabólitos secundários de plantas que estão envolvidos na defesa contra patógenos.

A taxa de crescimento da traça-do-tomateiro nas linhagens que expressam EPO foi até três vezes mais baixas em comparação com as variedades não-transgênicas. Níveis mais elevados de EPO levaram também a um aumento da mortalidade larval, com o terceiro estágio da larva da traça-do-tomateiro consumindo menos folhagem.

Para mais informações leia o artigo publicado pela Plant Journal:
http://dx.doi.org/ 10.1016/j.plantsci. 2008.01.006

Fonte: ISAAA – 01 de abril de 2008.