A biotecnologia agrícola começa a ganhar destaque nas lavouras africanas. Em 2005, produtores da África do Sul cultivaram mais de 480 mil hectares de milho, soja e algodão geneticamente modificados (GMs), conforme notícia publicada no site americano PR Newswire. De acordo com o agricultor Bethuel Gumede, o aumento da produtividade e a redução nos custos de produção são as grandes vantagens dos transgênicos. ”O algodão GM é bom para mim como produtor, pois me permite usar menos agrodefensivos do que normalmente eu usaria com as variedades convencionais”, disse. Somente na África do Sul, em 2005, a adoção da biotecnologia agrícola incrementou os rendimentos do setor em US$ 56 milhões e propiciou a redução de cerca de 150 mil quilos de pesticidas.

Foto: PR Newswire / July 2006 / Copyright: PR Newswire