Cientistas da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, desenvolveram um trigo geneticamente modificado (GM) capaz de tolerar altas temperaturas. Para chegar à planta transgênica, genomas de diferentes espécies de climas quentes foram estudados, a exemplo do arroz. Entretanto, foi no DNA da uva que os pesquisadores encontraram um gene que, quando introduzido no cereal, resulta em uma produtividade até 35% maior.

TrigoA fase mais crítica do crescimento do trigo é o desenvolvimento dos grãos, cuja temperatura ideal é entre 15 e 18 graus Celsius. Nesse estágio, enzimas convertem sacarose em amido, carboidrato que compõe entre 75% e 85% do peso final do vegetal. Os geneticistas responsáveis pelo estudo, Harold Trick e Allan Fritz, explicam que, sob forte calor, as enzimas não fazem essa conversão adequadamente, reduzindo o potencial produtivo do cereal.

De acordo com especialistas, o clima favorável à cultura é o temperado com inverno suave e verão sem chuvas fortes. “Para cada grau Celsius a mais do que ideal, perde-se cerca de 3% a 4% da produtividade do trigo”, explica Trick. O cereal transgênico da Universidade de Kansas mostrou bom desempenho mesmo em temperaturas entre 29 e 32 graus Celsius. Os pesquisadores agora trabalham no cruzamento entre variedades GM e convencionais altamente produtivas. O objetivo é gerar plantas que, além de resistirem ao calor, consigam garantir resultados agronômicos.

O vegetal está em fase de testes e ainda não está aprovado em nenhum mercado.

Fonte: Universidade do Kansas, Janeiro de 2015