O jornal científico ISB News Report publicou um estudo do Instituto Nacional de Ciências Agrobiológicas do Japão revelando o desenvolvimento de uma nova variedade de arroz geneticamente modificado. O produto, ainda em fase de estudos, terá finalidades farmacêuticas porque carrega genes que expressam proteínas contra doenças alérgicas, como rinite, asma e dermatite. A “vacina comestível” estimularia respostas imunológicas de pessoas que sofrem destes males. Só o pólen do cedro, por exemplo, que naturalmente se espalha no ar de fevereiro a abril, causa alergias em 20% dos japoneses.

Os pesquisadores argumentam que as vacinas comestíveis têm custo mais baixos de produção. Isso porque são produzidas em partes comestíveis de culturas de cereais e não precisam passar por processos de extração e purificação, ao contrário das vacinas tradicionais, produzidas em células bacterianas e em animais.

Fonte: ISB News Report