A cada dia, a Biotecnologia torna-se mais presente na fabricação de vacinas. Cientistas dos cinco continentes vêm desenvolvendo antivírus transgênicos que prometem prevenir e tratar diferentes doenças com praticidade e eficiência. Entre estas novidades estão: anticorpos fabricados por tabacos geneticamente modificados (GMs), capazes de auxiliar no tratamento de câncer e hepatite; tomates transgênicos que vacinam contra a peste negra e bubônica, por via oral; e bactérias GMs habilitadas para induzir uma boa resposta imune contra o tétano e o antrax.

De acordo com Carlos Borroto, diretor do Centro Cubano de Biotecnologia e Engenharia Genética, o uso de ferramentas biotecnológicas no desenvolvimento de vacinas reduz significativamente os custos de produção, além de facilitar o processo de obtenção.

Todos estes antivírus ainda permanecem em fase de testes e deverão chegar ao mercado nos próximos anos. As informações são dos sites ChechBiotech, EurekAlert, Gulf Times e CropBiotech.