DNACom o objetivo de avaliar o potencial da tecnologia CRISPR-Cas9, técnica que está revolucionando a biologia molecular em todo o mundo, a Embrapa e o Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) realizam, no dia 26 de outubro, o Workshop em Edição de Genomas: CRISPR/CAS9. Descoberta em 2012, a tecnologia CRISPR (do inglês Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats) utiliza a enzima Cas9 para cortar o DNA em pontos determinados por uma cadeia-guia de RNA. Utilizando uma metáfora, seria como a ferramenta localizar e substituir palavras do Word.

A cientista do Institute of Genetics and Developmental Biology da Chinese Academy of Sciences (CAS), Caixia Gao, vai ministrar a palestra de abertura do evento. Em Pequim, o laboratório de Gao foi o primeiro a usar essa técnica para edição do genoma de culturas agrícolas. As pesquisas conduzidas por Gao estão focadas na engenharia genética do trigo, famoso pelo DNA de alta complexidade. Uma variedade da planta resistente à doença obtida por Gao utilizando a técnica CRISPR/Cas9 encontra-se em fase de desenvolvimento por uma empresa nos Estados Unidos.

O pesquisador da Embrapa Soja e presidente do Comitê Gestor do portfólio de Engenharia Genética para o Agronegócio, Alexandre Nepomuceno, explica que biologia já faz uso de técnicas para editar e modificar o DNA desde a década de 80. “Entretanto, a CRISPR/Cas9 pode ser considerada revolucionária por permitir a manipulação de genes com elevada precisão, rapidez e menor custo”, afirma. As aplicações na agricultura podem ser muitas, desde o desenvolvimento plantas resistentes a pragas a variedades tolerantes à estresses abióticos (a exemplo do frio e da seca).

A diretora-executiva do CIB, Adriana Brondani, ressalta a importância de acompanhar de perto as discussões sobre essa inovação. “A CRISPR têm grande potencial de gerar produtos revolucionários para a agricultura; se o Brasil quiser continuar competitivo no mercado global, deve olhar com atenção para essa tecnologia.”

O workshop será realizado das 8h30 às 17h30, no auditório Biomas da Embrapa Sede, em Brasília.

Fonte: Embrapa, Outubro de 2016